Terça, 25 de Janeiro de 2022 02:16
(82)99621-8631
Cultura Cultura

Fundação celebra “As 7 vidas de Edson Nery da Fonseca”

Concertos musicais, depoimentos e exposição fotográfica integram a programação que traz os gatos, uma das paixões do bibliotecário, em comemoração ao seu centenário

03/12/2021 13h49
Por: Alexandre Vieira Fonte: Ascom Fundaj
Ascom Fundaj
Ascom Fundaj

Gatos nas paredes, em quadros, pesos de papel, estátuas, chaveiros e bibelôs de toda sorte. A casa do escritor e bibliotecário Edson Nery da Fonseca (1921—2014) no número 90 da Rua do São Bento, em Olinda, já foi um verdadeiro templo felino. Eram mais de 1.800 enfeites sobre o tema e não podiam faltar eles, claro. Eram mais de 50, com destaque todo especial para Daminha, Rosinha, Chiquinha, Princesa e Fernando. Uma paixão que direciona a exposição “As 7 vidas de Edson Nery da Fonseca”, que a Fundação Joaquim Nabuco lança nesta segunda-feira (6), às 18h. Na data, o homenageado celebraria seu primeiro centenário. A montagem ocupa o Ateliê Arte Machê Café, mesmo número 90 onde Edson viveu.

A programação começa antes, às 17h, com um concerto da Orquestra Sinfônica dos Meninos de São Caetano, no Mosteiro de São Bento. Edson foi oblato beneditino, um leigo dedicado à Ordem. Na abertura da mostra, a mesma orquestra apresenta um repertório popular no Ateliê. A exposição conta com registros da jornalista e fotógrafa Malu Didier. “As setes vidas se manifestam nas sete faces de um autor devoto do catolicismo, de Gilberto Freyre, da literatura, das bibliotecas e da poesia. Não menos na virtude com que exerceu a docência universitária e a administração pública”, aponta o diretor de Memória, Educação, Cultura e Arte (Dimeca), da Fundaj, Mario Helio, que divide a curadoria com a jornalista Karla Veloso.

O bibliotecário revelou o motivo da paixão por bichanos em uma de suas últimas entrevistas, à revista Piauí. “Minha mãe gostava de gatos e ela morreu muito jovem, com 52 anos. Dias depois a gata dela, Catuxa, morreu de desgosto. Achei muito leal”, assinalou. Nos Anos 1960, quando ele se mudou para integrar o corpo docente da Universidade de Brasília (UnB), adotou o primeiro gato por conta de ratos no imóvel onde morava sozinho. Um bichinho que ganharia o prestígio de companheiro com o fim dos invasores. De certo, a espécie foi testemunha das façanhas e versatilidade deste pernambucano do Recife. “Homenagear Edson é homenagear todos os gatos do mundo”, aferiu o antropólogo Antonio Motta.

Desde o dia 30 de novembro, a série homônima “As 7 vidas de Edson Nery da Fonseca” tem ganhado dia-a-dia nas redes sociais da Fundaj, no Instagram e YouTube, sempre às 17h. São depoimentos sobre nuances do homenageado, divididos por quem conviveu ou tem alguma relação com sua obra e legado. Edson Nery da Fonseca é considerado o papa da biblioteconomia no Brasil, pois teve papel imprescindível na criação dos primeiros cursos universitários da especialidade. Sua colaborou garantiu a modernização das bibliotecas brasileiras no Século XX , o que lhe permitiu estar sempre ao lado de grandes nomes. Era um leitor fervoroso e apaixonado pelo sociólogo Gilberto Freyre, de quem foi amigo.

Estas tantas vidas

Na profissão pela qual é reconhecido até os dias atuais, o pernambucano registra marcos como a criação da Biblioteca Central, da Universidade de Brasília (UnB), onde formatou também o curso de Biblioteconomia. Colaboradora do Programa Memória do Mundo, da Unesco, a socióloga Gilda Verri lembra que foi convidada para cursar o mestrado na UnB por sugestão de Nery. “A partir do convívio com ele minha admiração por seu trabalho com bibliografia (disciplina de Ciência da Informação) cresceu. Ele trouxe para o país questões bibliográficas no campo das Ciências e das Humanidades”, destaca Verri, que também é formada em Biblioteconomia.

No Distrito Federal, Nery da Fonseca tem sua assinatura também no acervo da biblioteca do Palácio da Alvorada. O projeto foi confiado a Antônio Houaiss e Francisco de Assis Barbosa, mas coube a ele a compra, tombamento e catalogação dos exemplares. Na cidade natal Recife, ele fundou o primeiro curso de Biblioteconomia do Nordeste e reformou as bibliotecas da Faculdade de Direito e da Escola de Engenharia. Autor de “Introdução à Biblioteconomia” (Briquet de Lemos, 2007), o bibliotecário foi um forte defensor da informatização dos acervos, ainda que muitos colegas o criticassem por acreditar que a modernização acabaria com o valor do livro.

Professora especializada em necessidades específicas, Lúcia Fonseca de Melo é sobrinha do homenageado e recorda a paixão do tio pelos livros. “Ele sempre preservou a paixão pela leitura. Aos 92 anos, ainda pedia que comprássemos seus livros”, conta, ao revelar que os novos títulos precisavam ser destacados da capa e entregues em parcelas menores para que ele pudesse segurá-los. Antes de vender sua coleção para o empresário Ricardo Brennand, em 2001, o bibliotecário reuniu um volume de 11.700 livros. Nas coleções, títulos de Salvador Dalí, Manuel Bandeira, Fernando Pessoa e T. E. Lawrence, além, claro, de Gilberto Freyre.

Dentre os seus orgulhos de Nery da Fonseca, estava o título de maior especialista da obra do sociólogo e escritor Gilberto Freyre. Mas não apenas. Foi também amigo pessoal do autor de “Casa Grande & Senzala” e idealizador da Fundaj por 47 anos. Pela Editora Massangana, da Casa, ele lançou os títulos “Um livro completa meio século” (1983), um ensaio sobre o maior clássico freyriano, e “Em torno de Gilberto Freyre” (2007), publicado 20 anos após a morte do mestre de Apipucos. Ao todo, dedicou 135 ensaios à obra de Gilberto Freyre. Muitos deles presentes no título “O Grande sedutor: escritos sobre Gilberto Freyre de 1945 até hoje” (Cassará Editora, 2011).

Programação

6 de dezembro 

17h — Concerto erudito no Mosteiro de São Bento

18h — Exposição “As 7 vidas de Edson Nery da Fonseca” + Recital da escritora Geórgia Alves

Ateliê Arte Machê Café (Rua de São Bento, 90. Sítio Histórico de Olinda)

Confira no YouTube da Fundaj a série As 7 vidas Edson Nery da Fonseca

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Maceió - AL
Atualizado às 02h01 - Fonte: Climatempo
24°
Poucas nuvens

Mín. 23° Máx. 32°

24° Sensação
6 km/h Vento
94% Umidade do ar
83% (12mm) Chance de chuva
Amanhã (26/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 24° Máx. 31°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Quinta (27/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 32°

Sol e Chuva